De Alba Martins para as Noivas

Ser a estilista de centenas de noivas é viver uma emoção a cada novo trabalho. Desde o primeiro contato com a noiva até a entrega do vestido vivemos juntas intensos momentos de alegria e sonho. Cada uma com sua expectativa, mas todas diferentes. E eu procuro traduzir isso, com o máximo de criatividade, em modelos e tecidos, dos mais nobres aos mais tecnológicos. A cada trabalho sinto-me gratificada por saber que o Alba Martins Atelier abraça e atende o desejo de cada cliente, com a minha assinatura.Filme 094

Acabei de postar, na página NOIVAS, mais três casamentos que mostram vestidos em estilos diferentes, tal qual suas noivas, todas queridas.

Anúncios

O Retorno dos Clássicos

A tradição de modelos mais clássicos de vestidos de noiva deve retornar ao lugar da preferência das noivas em 2017. As transparências exageradas e o tule, definitivamente são coisa do passado. Vão ceder espaço para tecidos mais pesados, como cetim, zibelina, tafetá e shantung. As rendas, que conferem sempre um tom romântico, continuam em alta, agora mais valorizadas, com bordados e pedraria pesada. Todo esse conjunto de tendências nos remete para uma época em que a imponência valorizava a solenidade do casamento com pompa e gala.

IMG-20160423-WA0009

É sempre bom lembrar que um vestido clássico deve ser usado somente depois das dezoito horas…

Sobre Véus…

Pegando carona no último post, sobre comprimento de vestido Midi, vai aqui mais uma dica para as noivas de 2016. A mais recente tendência de comprimento de véus é o 7/8. Para quem não está acostumada com essas medidas, que muitas vezes nos confundem, significa que não é curto, nem longo. Esse comprimento termina na altura dos quadris, mas pode passar um pouquinho da metade da cauda do vestido. Particularmente, eu já gostava desse comprimento antes mesmo dele voltar como tendência, por ser delicado e prático, e também porque a noiva pode permanecer com ele até mesmo depois da cerimônia, ao contrário dos véus longos que dão sempre algum trabalho. Outra possibilidade bem importante é que esse comprimento de véu pode cobrir o rosto sem destoar, valorizando e muito o conjunto noiva/vestido. Uma outra tendência que será muito vista nos próximos anos são os barrados contornando o véu. Podem ser em renda, simulando uma mantilha, ou em largos drebruns de seda, utilizados em qualquer comprimento de véu, sejam eles curtos, médios ou longos. Gosto sempre de lembrar que, na hora da escolha do véu, toda a noiva tem de levar em conta o modelo de seu vestido para que haja harmonia no conjunto. Às vezes o que imaginamos ser o complemento ideal, pode não ser o mais adequado para o seu estilo individual. Nesse momento é imprescindível contar com a orientação do Estilista da noiva que ao criar o modelo já idealizou o que melhor irá completar a produção.

ALBA-ENS-EST-123

A perfeição é feita de detalhes. A harmonia entre arranjo e véu é meio caminho para uma produção perfeita ou, no mínimo, confusa. Se o véu que você vai utilizar possui vários detalhes, faça opção por um arranjo mais discreto, e o contrário também é a melhor escolha.

Foto – Irit Fotografia

MakeUp – Grazi Almeida

Véu e Arranjo – Alba Martins Atelier

Cotidiano Natural 2014

Como prêt-à-porter feminino, as noivas têm suas semanas de moda. São poucos dias em que as tendências são feitas e desfeitas, por isso foram vistas acontecendo em Barcelona e Londres, vitrines mundiais em tendência de vestidos de noiva. Nas passarelas, da guipure às rendas antigas e o de roupas de todos os dias (camisa branca, gravata e corpo), branco puro, marfim e preto. O cotidiano sem dúvida vem, a cada dia, assumindo um lugar mais natural.

Imagem

Feliz 2011

Ao iniciar o ano quero falar um pouco sobre as tendências para vestidos de noiva. Para 2011 minha inspiração na criação de novos modelos revela-se um pouco variada. Nos últimos tempos vimos vivendo uma espécie de “onda vintage”, mas ao mesmo tempo as noivas têm optado por um gosto bem mais personalizado, misturando novas tendências com as já definidas e consagradas, como o romântico, exótico e sensual. Algumas optam por modelos que reúnam um pouco do estilo comum, mas não deixam de lado o toque pessoal, valorizando o seu próprio estilo. Isso sem deixar de seguir regras de um sentido estético precioso. O decote tomara-que-caia continua no forro com sobreposição de rendas leves e transparentes, simulando alças ou pequenas mangas, tanto para o estilo sereia como para as saias mais volumosas.  Este um ponto que aposto firmemente neste ano, e vale como uma dica pessoal: as saias que deverão ser bem volumosas e de preferência em tecidos leves em várias camadas como o tule, organza de seda pura. Os véus longos continuam, mas sem ultrapassar a cauda do vestido, porém com detalhes debruados em gazar de seda ou cetim. Mas nada impede que você use o tradicional véu de tule com renda. E o cabelo, normalmente uma preocupação em tempo integral das noivas, deve ser meio-preso com pentes ou tiaras em metal e pedras semipreciosas.

 

Anos 20…Melindrosas

Hoje há uma tendência bem significativa que foge de tudo o que temos visto nos últimos lançamentos e coleções de vestidos de noivas. Nessa onda vintage que vem tomando corpo há algum tempo surgiram novas possibilidades que estão sendo bem aceitas por várias de minhas clientes. Um estilo e forma de criação que traz como referência épocas um pouco mais lá atrás. Uma forte tendência que vem se mostrando bem atual e chic são as noivas estilo anos 20. E sabendo um pouco mais daquela época é possível até fazer um comparativo de atitude que deixa bem próximas épocas tão distintas. Nos anos 20 do século passado, a jovem mulher americana mais moderna troca o corselete por um visual mais audacioso. O tamanho das lingeries diminui e sua importância aumenta. Naquela época já havia um grande número de mulheres que trabalhavam fora e gastavam praticamente metade dos salários com essas ousadas lingeries. Foi também aí que houve o lançamento do perfume Chanel nº5, ainda hoje um dos mais vendidos, inovando como o primeiro a usar uma fragrância artificial. Aqui no Brasil acontecia a comentadíssima semana de arte moderna, que foi um marco na mudança de padrões e hábitos. Assim, depois de um século de espartilhos asfixiantes, as mulheres começaram a conquistar o direito de vestir-se com trajes masculinos. A partir dessa mudança de atitude da mulher, os olhos do mundo começaram a ter gosto pela silhueta magra e esguia. Em 1925, em Paris, o movimento Art Deco influenciou de forma direta as linhas lisas, angulares e geométricas do modernismo na moda, tanto nas roupas quanto em acessórios. Porém, a mais importante das mudanças foi a do comportamento das mulheres, finalmente mais soltas e sensuais. Mais um bom exemplo dessa revolução foi o corte de cabelo chamado “la garçonne”, que determinou mais praticidade para uma mulher atuante. Mesmo com todos os ventos do modernismo e da emancipação feminina é possível observar que o vestido de noiva continuava sendo o objeto de sonho de todas as mulheres. Influenciado pela tendência da época, agora com uma modelagem mais longilínea, saias mais curtas e quadris bem marcados; as rendas, bordados em pedrarias e mousselines transparentes davam um toque especialmente romântico ao traje.

A única coisa que eu acho que não favorece a beleza feminina é o estilo de grinalda dessa época, prefiro noivas com o rosto mais à mostra.